(31) 3222-4383
Rua pernambuco, 353, sala 306
Funcionários Belo Horizonte/MG
nutricionista@marcelareis.com.br

Diabetes

A diabetes é dividida em dois tipos: o tipo 1, em que o paciente é dependente de insulina, e o tipo 2, em que medicamentos são necessários para o tratamento. A nutrição é importante para o acompanhamento do paciente com diabetes, mas principalmente para a prevenção da doença (mais especificamente o tipo 2).

A diabetes do tipo 1, está mais relacionada a um fator genético, se manifestando na maioria das vezes na infância ou adolescência e não depende do estilo de vida que o paciente leva. Nesse caso, o grande benefício da nutrição é que,por sabermos que a insulina é um hormônio que tem o potencial de transformar substratos alimentares(principalmente os carboidratos) em gordura, temos a percepção de que uma alimentação balanceada é capaz de minimizar esse efeito colateral e, ao mesmo tempo, possibilitar que o paciente use dosagens menores deste hormônio.

Já a diabetes do tipo 2, apesar de também ser influenciada pelo fator genético,tem ocorrência relacionada, sobretudo, ao estilo de vida que a pessoa leva (alimentação, stress, nível de atividade física etc.). Ou seja, nesse caso,o estilo de vida pode acelerar ou adiar a manifestação genética, fazendo com que o paciente se torne ou não diabético. Hoje em dia, já podemos detectar, através de exames, quando a glicose começa a apresentar níveis fora do ideal. Esses são chamados de quadros de resistência à insulina, o paciente produz muita insulina, mas ela não funciona e a glicose não fica bem controlada. Nesse caso,uma alimentação equilibrada e a reposição de algumas vitaminas e minerais que o organismo usa na fabricação de insulina, podem levar a uma melhor sensibilidade da glicose à insulina, fazendo com que haja uma prevenção da diabetes tipo 2.

Sabemos também, que a presença de gordura abdominal diminui o funcionamento da insulina então, tanto no diabético tipo 1 quanto no diabético tipo 2, a manutenção do peso e, principalmente, a manutenção de um determinado percentual de gordura corpórea, são fundamentais para a boa ação da insulina, seja ela injetável ou a própria insulina produzida pelo corpo.



Marcela Reis Nutrição Clínica © 2014 | Todos os direitos reservados